terça-feira, janeiro 06, 2009

A REALIDADE DOS NÚMEROS

Unidos seremos mais fortes. É uma frase que se diz a torto e a direito por ai, muitas vezes apenas para finalizar conversas de ocasião, sem sequer pensar a fundo no sentido da frase. Não gostava de usar esta frase de modo leviano aqui neste post, e por isso passo a explicar o porquê de ter iniciado este texto desta forma.

Em termos oficiais, uma modalidade vale pelo número de praticantes que tem… existem excepções, mas digamos que regra geral, o número tem muito peso nas contas finais.
Em 2008, os Açores tiveram cerca de 80 praticantes de ciclismo devidamente federados. Alguns podem pensar que é muito, outros nem por isso. Diria que é pouco tendo em conta o universo possível, pelo menos a julgar pelo número de pessoas que vemos por ai aos Domingos a dar a sua voltinha para aliviar do stress da semana. Em termos de universo regional, e por comparação com dados de 2006 da DRD, são poucas as modalidades com um número inferior de praticantes nos Açores. Bridge, canoagem, columbofilia, esgrima, parapente, pesca desportiva, tiro com arco, trampolins, triatlo e voleibol de praia, foram as únicas modalidades com um número inferior de praticantes, por comparação com o ciclismo… o ciclismo representa apenas 0,2% do universo de praticantes de desporto na região. É pouco não é? Todos nós gostaríamos que esta situação se alterasse um pouquinho no futuro, pois não?

Uma modalidade para ter representatividade junto das entidades oficiais (FPC e DRD), tem de ter praticantes devidamente licenciados... são aspectos directamente proporcionais. Independentemente da licença que cada um pretenda obter, só quando a tiver, é que poderá dizer que está a contribuir de modo efectivo para a representatividade da sua modalidade.
É por isso que volto à frase que deu o mote para este texto: Unidos seremos mais fortes.
O ciclismo só se afirmará como modalidade “maior” se da parte das pessoas que o praticam, houver a preocupação de obter anualmente a licença, que tanto pode ser para a vertente de competição (ciclistas de competição), como para a vertente de lazer (cicloturistas e betetistas). Só assim teremos um incremento significativo desta modalidade num futuro próximo e isso trará concerteza os seus dividendos.

Mas o tirar a licença não serve apenas para fins estatísticos. Obviamente que isso é importante, mas não esqueçamos que o ciclismo é uma modalidade que envolve alguns riscos e ninguém está livre de ter alguns percalços. Ai entra a parte dos direitos dos atletas e cicloturistas filiados. Todas as pessoas filiadas ficam automaticamente abrangidas por um seguro de Acidentes Pessoais e de Responsabilidade Civil. No site da Federação Portuguesa de Ciclismo poderão ver com atenção os valores das coberturas e franquias envolvidas (clicar aqui).

Volto a colocar aqui os valores das licenças para 2009.

Os preços das licenças de competição variam de acordo com a idade do praticante e podem ir desde os 10€ aos 80€. Para além do preenchimento da ficha de filiação, exigem a obtenção de um atestado médico. Quem pretenda participar nas provas a realizar em 2009 terá de obter uma licença de competição.

A licença de cicloturista custa 25€ independentemente da idade ou sexo do praticante. Para a sua obtenção não é exigido nenhum atestado médico, apenas o preenchimento de uma ficha de inscrição e assinatura de um termo de responsabilidade. Contudo essa licença não permite a participação nas provas nos escalões de competição, pois o seguro dessa licença não cobre a participação em eventos desportivos. Um praticante que tenha a licença de cicloturista poderá participar nas provas apenas na classe de promoção (serão corridas muito mais curtas) e o valor de inscrição nas provas será sempre mais caro do que o que pagarão os atletas federados, pois será necessário efectuar um seguro específico para cada prova para os atletas da promoção.

Poderão colocar questões e obter informações adicionais através do Email da Associação de Ciclismo dos Açores aca.acores@gmail.com, ou então escrevendo nos comentários deste post.

A OBTENÇÃO DA LICENÇA É UMA QUESTÃO DE HÁBITO, NÃO CUSTA (QUASE) NADA E SÓ TRAZ VANTAGENS!

Fiquem bem e boas pedaladas!

11 comentários:

Ludovic disse...

Concordo com tudo que o Jorge "postou", e só me ficou uma dúvida neste post que é a seguinte:
- O que é a "columbofilia"?
...até soa a uma espécie de crime...LOL!!!

(minutos depois...)

...hum... já fui ver...é a modalidade que "se pratica" com os pombos, e deve ser giro. Já consigo imaginar o pessoal, uns entre os outros "tenho um pombo Epico, passa entre tempestades e tudo", o outro, "o meu pombo é de 2009, e é mais leve q o teu"...LOL. Tou na brincadeira. Fãs dos pombos, n se chateiem. Também os admiro...com a excessão de qdo me sujam o carro todo.

Abraço!

Igor Furnas disse...

Bem... 0,2%??? Onde estão esses ciclistas todos que se vê por ai?? Acho que este número não retrata, nem de longe nem de perto, o número de pessoas que pratica ciclismo com alguma frequência por cá.

Realmente, um bom primeiro passo, para quem gosta deste desporto e quer que ele evolua e comece a ter mais alguma preponderância, seria contribuir para que este número aumente e o Jorge mostra ai que o ser federado não é algo que se justifique só para quem compete.

Abraço

MOTARTE disse...

De facto a ideia generalizada que existe é:

Para que ter licença se não quero fazer competição?!

Eu pensava da mesma forma...

melo disse...

Vou continuar a incentivar os meus "compinxas" a tirarem a licença, o "seguro" dá sempre jeito ...quem anda á chuva ...molha-se.

jormed disse...

A ideia generalizada é de facto a que o amigo Motarte referiu:"Para quê a licença se não faço competição?"

Este post vem precisamente no sentido de contrariar essa ideia generalizada.

Na conversa com muitas pessoas constato que quase ninguém sabia que o estar filiado faz com que a pessoa fique coberta pelos tais seguros.

No blog dos nossos companheiros "rodasaodomingo" este fim-de-semana houve uma situação mais complicada que levou uma ciclista ao Centro de Saúde da Ribeira Grande. Foi um pequeno acidente, que provavelmente não justificaria a activação do seguro, mas ainda assim serve de alerta para as situações menos desejadas nesta modalidade.

Nós andamos a maior parte das vezes em vias públicas ou então em trilhos menos próprios para cardiacos (lol)... o perigo está sempre à espreita.

Vão passando a palavra e aos poucos sensibilizando os menos atentos para esta questão.

MOTARTE disse...

Exactamente Jorge!

Da minha parte, para além do pedido de licença, fiz um post sobre este tema no meu blogue:

http://motarte.blogspot.com/

Daiwana disse...

Não fazia ideia da existência de um seguro, ou mesmo licença para as bicicletas. Estou bastante inclinado para a fazer, mas na classe de bttista. Muitas vezes apetecia-me participar nas provas, na classe promoção, pelo convívio, teste de capacidades, percurso, etc., mas nunca o fiz ainda. Gostaria de saber a opinião da malta, e saber qual a licença que me aconçelham em termos de preço/benefícios para participação em alguma prova de dh, xc ou enduro (se é que vai haver alguma). Tenho 28 anos. Obrigado desde já pela ajuda.

André Arruda disse...

Viva,

Caro "Daiwana", o preço das lincenças é dado em função do escalão (idade do atleta) e do numero de vertentes ao qual se pretende inscrever.

Para uma idade de 28 há 3 hípoteses:
- 80€ Elite (fica habilitado á participação em qualquer prova - Estrada ou BTT - e correrá obviamente no escalão de Elites)
- 50€ Elite (fica habilitado á participação em todas as provas da vertente de BTT e correrá obviamente no escalão de Elites)
- 25€ Cicloturista e Betetista, com esta licença o atleta fica coberto por um seguro ao participar na vertente Promoção, ou outras provas no âmbito do Cicloturismo devidamente reconhecidas pela UVP-FPC, não estando no entanto habilitado a correr nos escalões "Federativos".

Valores das licenças no post "A REALIDADE DOS NÚMEROS"

Espero ter ajudado, cumprimentos.

Daiwana disse...

Obrigado pelo exclarecimento andré! Vou reflectir sobre as duas vertentes, e depois vou concerteza fazer a licença. :)

André Arruda disse...

Chamo á atenção para um erro na minha intervenção anterior.

A licença de cicloturista não incluí seguro que cubra a participação na classe Promoção. O seguro dos participantes neste escalão deverá ser facultado pela organização da prova.

jormed disse...

Acrescento apenas para quem estiver indeciso entre tirar a licença de cicloturista ou de atleta... tirem a de atleta!

Com a de atleta podem fazer cicloturismo... o contrário não é verdade. Com a licença de cicloturista, podem competir, mas apenas na classe de promoção.
Neste sentido, a de atleta é mais cara, mas traz mais vantagens.