terça-feira, maio 27, 2008

Plan de Corones (Kronplatz)

Não faz sentido, num desporto em que se apanha cada vez mais doping, que se façam voltas como o Giro deste ano!

Ainda ontem para quem viu a cronoescalada, via-se a dificuldade que é imposta aos ciclistas e isso após um dia com 5 ou 6 contagens de montanha duras. Não admira que não se possa correr limpo!

12 km de escalada pura. Muitos usavam uma combinação de 34x25 (!) ou 38x27 (!), mais indicado a btt, apanhava-se no início rampas (em pavé)entre 16% e 20% e o último km chegava a 24%! Sem contar que havia muitas zonas em terra batida e em que nem os carros de apoio podiam seguir. Apenas 2 motos.



Pergunta-se: será necessário isto?

Parece-me que não. O Giro 2008 tem sido muito criticado e nem os sprinters tiveram etapas a jeito! Acaba sempre numa subida final ou as ruas são muito estreitas e passam por povoações muito pequenas pura e simplesmente porque no fim da aldeia há uma parede para subir!

Assim não se contribui para o desporto limpo. Eu gosto de ver a dificuldade mas não o exagero desta.

E neste momento penso que o Director de Prova terá de pensar seriamente se não se exagerou na dose este ano...

13 comentários:

jormed disse...

Transcrevo aqui o que disse o Alberto Contador no final da etapa:

"I went to see the course this morning and rode up the final dirt section. I'm glad I did because it made me realise I needed a bigger gear.
"I used a 34x30 and I think it helped me keep the pink jersey because my back wheel was slipping on the steepest parts of the climb."

34x30... lol...
Eu sei bem o que são 24%, pois é a inclinação média da parte final da Criação em Santo António... só que é uma secção de apenas 200m... não é 1km.
Em 39x27 faço de pé tipo manivela a 2 tempos... inclina tudo para um lado e pára no topo, depois inclina tudo para o outro lado e volta a parar no topo...

Eles lá sabem o que estão a fazer. Pelos vistos e a julgar pelas fotos o público gosta... se o público gosta vê... se vê as audiências sobem... audiências sobem, o dinheiro envolvido também sobe... se o dinheiro envolvido sobe, as exigências também sobem... sobem as exigências, sobem os riscos a assumir pelas equipas e atletas... sobe igualmente a probabilidade de pisar a linha do doping.

Ovide disse...

Epá eu estou com o Tiago neste assunto.

As etapas têm sido durissímas e a crono-escalada era uma coisa inusitada. Penso que poderiam criar uma prova (que poderia tornar-se uma clássica) incluindo secções tipo a de ontem, à semelhança do Paris-Rubaix(?)com este tipo de dificuldades e de piso, mas incluir isso numa prova de 3 semanas é de loucos.

Há outras formas de promover o desporto... o concurso "strongest Man" não inclui ciclismo!

Abraço!
Ovide

Ludovic disse...

perdi as melhores duas etapas do Giro... Devem ter sido espectaculares... para quem assiste!...Será q n houve ninguem a pé c/ A BIKE ÀS COSTAS, como na subida de S.Brás à 3 anos atrás? ;)

Rui Costa disse...

vi a etapa e so me lembrava dexe dia em que subimos s.braz,lembrome k o jormed levou cassete e automatico d btt,axo k ia em 39x32 lol a uma imagem k o ricardo ricco vai a pedalar em pe e a roda transeira a patinar,enfim!concordo ctg na ha nessecidade

Tiago Martins disse...

Já não é o primeiro ano que se apontam críticas à organização do Giro.

Lembro me no ano passado duma etapa que acabava no Monte Zoncolan que foi uma desgraça! Chovia e para além das características:

Extensão - 10,1 Kms;
Altitude - 1.730 mts;
Desnível - 1.200 mts;
Pendente Média - 11,9%;
Pendente Máxima - 22%;

havia ainda o joker: últimos kms em terra batida...

Claro que há também o Angliru na Vuelta e o Mont Ventoux e o Alp d'Huez no Tour e penso que todas as voltas devem ter as suas chegadas em "HC" mas por exemplo no Tour não há terras batidas nem nada que se pareça e na Vuelta pois que eu saiba apenas subiram ao Angliru 3 vezes desde a primeira em 1999. E foi depois duma subida polémica se não me engano em 2002 (em que com a chuva nem os carros de assistência subiam...) que os organizadores ponderaram retirar de vez o Alto del Angliru.

Só por curiosidade na subida ao Angliru havia lá o Cueña de las Cabres (literalmente carreiro de cabras...), zona mais íngreme com 23,6% de pendente, a 3 km do fim, seguido de uma pequena rampa a 18% e o final a 21%..., em terra batida...

melo disse...

Bem o que preocupa em todo este cenário não são os profossionais dopados mas ism os amodores armados em profissionais igualmente dopados. Este é o grande mal que alastra cada vez mais. Desde o tomar "algo" para andar mais que amigo no fim de semana, para entrar na prova xc local, aguentar a maratona com mil gajos com 100 ou mais km, no ginásio para ficar forte ... O grande mal e consumo do doping está nos amadores e nos atletas de fim de semana que em procuram em certas substâncias colmatar as lacunas da sua preparação física fruto da sua rotina de trabalho.
Os profissionais, bem, estou-me nas tintas para eles, são concerteza os mais vigiados do mundo, bem pagos e se fazem asneira são ainda mais falados.

Tiago Martins disse...

Melo,

Isso também me preocupa. Infelizmente não há grande controlo sobre isso e se formos pensar assim então não há verdade desportiva no ciclismo e ponto!

Nos pros penso que nenhum deles escapa. É a minha opinião. Podem saber fazer as coisas melhores e não serem apanhados mas num ponto estão em equilibrio pois se todos fizerem ficam em pé de igualdade.

Nos amadores não sei. Penso que pode haver um ou outro que pense assim. Daqueles que não gostam de perder a feijões nem de trabalhar a sua preparação...

melo disse...

Tiago

Este problema é bem real, a venda de "catalizadores" anda um pouco por todo o lado, desde lojas de desporto, farmácias etc. Substâncias que parecem inofensivas mas se fossem tomadas por profissionais, estavam logo agarrados.
Não digo, que não existe verdade desportiva no ciclismo, mas que existe doping e irá sempre existir, lá isso é verdade. É um pouco como a corrupção dos árbitros no futebol, de vez em quando arranja-se uns "bodes expiatórios" a coisa acalma, depois volta tudo ao mesmo.
E não podemos fazer nada, porque já é quase cultural que assim seja.

paulo rebelo disse...

N é por nada, mas acho que o Giro está a ser espectacular. Tem q ser exigente, n se trata do ironman, mas são os melhores ciclistas do mundo e se isto é muito para eles, então podem mudar de profissão ou então podem virar para amadores como nós e subir o Pisão!! O ciclismo de estrada é um sofrimento pegado desde o 1 minuto ao último segundo, seja para profissionais ou amadores, cada um na sua escala e dentro das suas capacidades. Nunca vi um priofissional ou um amador acabar uma prova de ciclismo sem suar, e estou farto de ver gajos -putos novos- a sair de ginásios sem pingar uma gota de suor!(mas estes n se dopam de certeza, arrastam-se pelo ginásio e se puderem vão engatando umas gajas pelo caminho)O q eu axo é q se deve variar ao longo das etapas. No giro já tiveram lugar as etapas privilegiadas pra sprinters e roladores, por isso, porq n umas “subiditas” para sofrer e marcar a diferença entre os q trepam bem e os q trepam melhor, para compensar as diferenças entre os q rolam e sprintam melhor e pior!
Penso q n é por causa disto q há doping no ciclismo profissional, tab há noutros desportos de resistência, velocidade e de força. Como disse o Melo, bem mais grave (em termos éticos – digo eu) é o doping nos amadores q n recebem cheta e mesmo assim enjorcam merdas até rebentar com a canalização! (especialmente o pessoal ligado a ginásios e a “culturismos”). Voltando ao assunto, vocês viram a quantidade de gente q acompanhou aquele contra-relógio ao longo do percurso, e aqueles q se deslocaram de bicicleta para o local? Dá gozo ver uma assistência de milhares ao longo de uma simples etapa!

Ludovic disse...

Na parte do espectáculo, concordo com o Rebelo. O Giro este ano "estava" (...estava, pq desde q começou o Tenis eu NUNCA mais consegui ver o Giro...GRRRR!!!!) a ser espectacular. Grandes lutas, muitos candidatos à vitória, vários camisolas Rosa, e só a camisola dos pontos estava mais ou menos decidida, restando saber se o Italiano da Liquigás ia conseguir superar as montanhas. O Lider da montanha tb fez uma etapa espectacular, acabando por vencê-la.
Quanto ao dopping, qdo assim é em termos amadores, é uma pena, pq ninguem ganha nada c/ aquilo, e até perdem saude.

Abraço.

jormed disse...

Hoje almocei uma feijoada... o recurso ao auxílio da propulsão a gás é considerado uma prática de doping?

André Arruda disse...

Doping não, mas não é permitido o seu uso quando vai alguém na tua roda. Lembraste da Batalha ? lol

Ludovic disse...

...O André usa mto a propulsão (A specialized parece q tem tubo de escape roto, LOL!!! e depois manda os adversários da PH p/ a valeta, LOL!!!)
...E o Big Mac, será considerado substancia dopante? ;)