terça-feira, março 18, 2008

Atlântico Expresso - Artigo Opinião - 17 de Março


Ontem o Carlos e o Melo escreveram no chat acerca deste artigo.
Coloco-0 aqui para termos ideia de como é que é visto o ciclismo "por fora". Para quem lê, é óbvia a ideia de que ciclismo é Estrada. Muita coisa mudou nos últimos anos e o BTT assumiu um destaque que não tinha há 15-20 anos atrás.

É bom saber que começam a levar a modalidade mais a sério. A entrada do Santa Clara tem levado o ciclismo a outras áreas que não ia até há poucos meses atrás e este artigo é sinal disso mesmo... é uma camisola "pesada" sem dúvida, mas ainda bem que assim é!

Fiquem bem!

3 comentários:

DJ disse...

Curiosamente, numa conversa que tive com meu pai, vendo os videos aqui postados e fotografias... ia dizendo que realmente o ciclismo já não é o que era... e ainda bem, porque o ciclismo não se centra apenas na estrada, existe várias vertentes e pelos vistos com muitos valores...
...isto dito de gente que vê por fora esta modalidade.

um abraço todos

Ludovic disse...

O ciclismo no seu todo é realm/ enorme. Consegue "tocar" muitas massas humanas, de várias formas e feitios. Que se veja por exemplo o cicloturismo. Nunca "morreu", c/ paragens ou sem paragens. Cativou sempre mais um, ou mais outro, q se junta esporadicam/, ou ciclicamente... pois o cicloturismo tb é isso mesmo. Queres andar, andas. Não queres andar ficas em casa a dormir, levas a bike q te apetecer, e mai nada. O BTT veio realm/ trazer uma bicicleta q só pelas suas próprias dimensões, e caracteristicas (pneu "largo", suspensao(oes)), leva os miudos, e n só, a quererem estar em cima dela, brincarem, fazerem truques, etc. Por isso é natural q o BTT tenha feito um verdadeiro Bummm no ciclismo, já p/ n referir q permite-nos irmos a qualquer lado, independentemente do tipo de piso q encontremos. Também, como é óbvio, é do Ciclismo de estrada q as pessoas com mais idade se recordam(Não havia BTT, salvo uns 15/20 anos atrás...nos principios de 90). O Ciclismo de estrada faz lembrar aquelas bandas q lançaram os seus hits nos anos oitenta e troco'passo, mas está sempre na "moda". Pode não ser aquilo q toda agente ouve, no entanto, o ouvinte q aprecia musica sabe reconhecer o valor daqueles hits, sabe q realm/ ali há muito trabalho, e mais um pormenor q delicia os amantes do ciclismo, q é, nesta vertente as equipas existem de modo funcional. O trabalho de equipa é necessário. As provas de estrada são muito interessantes de acompanhar, tb pq o "grosso da coluna" mantém-se normalm/ por mais tempo q numa prova tipica de BTT, existem estratégias, definições de posições p/ os elementos das equipas, etc.
...Na nossa realidade actual, penso q tb é bom salientar, não só a entrada do Santa Clara no Universo Ciclistico, q realm/ tem um peso grande em termos de comunicação social, é realm/ o maior clube da região, axo q isso n temos dúvidas (toda a equipa de ciclismo, desde o ppl identificado como de estrada, até ao ppl do DH sente e sabe o peso da camisola), toda a gente conhece o Santa Clara, não só aqui nos Açores. Mas tb deve-se fazer referência à PH Clinic q tem um grande peso nas inscrições q temos actualm/ nas provas, e referir q é uma equipa criada para a estrada, quero eu dizer com isso, que com o ambiente que temos ai criado poderá a estrada atingir números de inscritos apróximados dos de BTT, o q será tb excelente para o espectáculo. A PH por exemplo n tem todos os seus elementos a correr no XC. Tem elementos só de estrada.
A meu ver, a estrada está a renascer nos Açores.
Agora falta-nos o passo seguinte, q será criar estruturas para se poder criar desde as escolas, até à competição, para o ciclismo criar raizes fortes.

Abraço!

Ludovic disse...

...Como é óbvio, faltou-me fazer referência ao NC, q para além de ser o NC o Grande motor desta Bola de Neve a crecer diariam/, já possui internam/ as tais raizes(...e não são as raizes da Batalha...), e como tal, n admira os resultados q já vão obtendo em termos de BTT no geral. Na juventude é q está o futuro, portanto, o NC já tem uma estrutura mto bem montada para o futuro.

Abraço!