segunda-feira, dezembro 19, 2005

A União Faz A Força

foto tirada por: Marina Tavares
.
O que estou aqui a escrever e que vão ler nas linhas que se seguem, sei que deveria ser um coment no post do nosso amigo Survivor, porém decidi colocar aqui como post. Porquê? Simplesmente porque já não escrevo aqui à já algum tempo e tendo o Survivor e o Jormed inspirado-me com os seus posts, decidi então dar mais destaque ao que vou partilhar com todos vocês pelo motivo que irão perceber se acaberem de ler este post até ao fim. Sendo assim, começo por dizer que prefiro o cicloturismo. Todavia, sim também gosto de competição, mas se tivesse de escolher, escolhia o cicloturismo. Quem me conheçe à mais tempo até não se surpreende com esta minha escolha, pois sendo a competição uma vertente que exige saber lidar com situações de stress, ou seja, algo que - apesar de aparentemente não mostrar - dá-me cabo dos nervos, embora até saiba lidar com elas, porém deixa os seus estragos. Isto é, prefiro algo mais calmo e no qual a única preocupação seja desfrutar o momento, pois numa competição estão muitas mais coisas em jogo. Por outro lado, como gosto de fotografia, no cicloturismo consigo aliar esses dois gostos, pois um completa o outro. A única coisa que realmente gosto na competição é o poder testar-me a mim próprio e assim e defender as cores de uma causa que apoio, ou seja, a associação e tudo o que ela representa. É aquele espiríto de equipa que se cria, quando esta existe, em que nos unimos em torno de um objectivo comum, vencer. De resto, o convivio e todas essas outras coisas que quem pratica está a par, são coisas que podemos encontrar também no cicloturismo. Prefiro dar aqueles passeios ao meu ritmo, sem me preocupar em quem vem atrás, descobrindo novos trilhos e admirando a paisagem, indo cada vez mais longe e divertindo-me, enquanto pedalo, com as conversas de grupo, enfim, vocês sabem como é. Sinceramente, se houvesse núcleos de cicloturismo organizados na região e não houvesse competição, até não me importava, (porém, algo tinha de haver) pois podiamos fazer intercâmbios com núcleos de outras ilhas e seria uma forma de promover o convivio entre todos e até mesmo o turismo, pois acho que todo o açoriano - e até mesmo quem é continental - mas principalmente os açorianos deviam visitar uma vez na vida pelo menos algumas ilhas, pois caso contrário, porque somos Açores? Claro que para isso seria necessário criar mais condições, pois tendo em conta o nosso contexto como arquipélago é inadmissivel que em pleno século XXI não haja um meio de transporte marítimo que realize viagens durante todo o ano e para todas as ilhas, isto devia ser um direito de todo o açoriano. Sei que se está a trabalhar para isso, mas sinceramente: - despachem-se! E se formos depois discutir os preços que deviam ser aplicados, nunca mais saíamos daqui, porém acho que para bom entendedor meia palavra basta. Isto vem na sequencia da ideia de criarmos um campeonato a nível regional, que acho que é algo que me leva a pensar: - como é possível ainda não haver algo do género? Onde estão os ditos responsaveis pelo ciclismo açoriano? Pelos vistos andam a dormir, pois quem anda a trabalhar não são eles, mas sim aqueles a quem deviam estar a "servir", ou seja, os atletas, os próprios ciclistas!!! E agora qual a ligação disto com o cicloturismo? Onde quero chegar? É simples, tal como espero que venha a ser uma realidade o campeonato regional, porque não também organizar algo a nível do cicloturismo? Se houvesse transporte marítimo, com bons preços, com o esforço de todos julgo que se podia fazer algo muito interessante em que estaria em evidencia a verdadeira essência do que é fazer cicloturismo. E seria muito mais simples do que organizar um campeonato, porém não quero com isto sobrepor um ao outro, simplesmente deixar no ar a ideia de que em nome do Btt ainda há muito por fazer, mas se não formos nós, que o adoramos fazer então quem o fará? O Clube NC? Sozinho é que não, pois não se diz que a união faz a força? Então em vez de nos importarmos só com as vitórias nas provas, não se esqueçam daquelas que só se vencem fora do circuito de prova.
.
Sim, metam-se lá na roda se faz favor, mas também não se esqueçam de passar pra frente de vez em quando e puxar também.
.
Boas pedaladas a todos.

4 comentários:

Rui Soares disse...

Boa Clife sou dos teus.Já agora a proveito para infomar que alem do Grupo de cicloturismo de S.Miguel existe um em S.Jorege tambem pretencente a Federação

jormed disse...

Sim Senhor Clife. Foste igual a ti próprio: honesto e sincero!
Só mais uns pozitos. Há 2 (3??) anos foi realizada uma volta à ilha de São Miguel em Cicloturismo, durante 4 dias em que vieram quase 100 (!!!!!) ciclistas do continente. Quantos de São Miguel estiveram presentes???? Não sei, mas foi uma minoria absolutamente minúscula. Por isso é que o Madruga está um pouco afastado e queimado de tudo quanto é organização de eventos de ciclismo em São Miguel.
Existem muitos que falam (e por vezes muito alto) mas quando chega aos momentos de dar a sua contribuição (que muitas vezes passa apenas por comparecer no eventos) não estão lá! Ficam em casa.
Não estou a procurar atingir ninguém. Tou só a generalizar...
Isso tem um pouco a ver com a mentalidade açoriana. Parece que é pecado que algo seja bem sucedido, ou que alguém tenha sucesso.

Posso não gostar nada da mentalidade americana para muitas coisas, mas eles têm uma coisa que nós infelizmente não temos. Um sentido de unidade nacional. A capacidade de se unir à volta de um mesmo objectivo, procurando o sucesso colectivo em detrimento muitas vezes do sucesso individual.

Tiro o chapéu ao Sr. Roque. Não falha um Domingo no cicloturismo, e nas provas de estrada que tem havido marca sempre presença!!! Lembro que o Sr. tem mais de 60 anos!
Precisamos de mais pessoas assim...

survivor disse...

Poi, pois...G'anda Clife! Tocaste nas principais feridas aí da malta. Mas, acho que tens razão sim senhor! É por isso que deixei a pergunta no ar...por achar que o tema ia dar muito que falar...O que, penso, é salutar. Ou não fora o Biclas, um blogg inteligente...
Abraços!!!

Ludovic disse...

Posso dizer ao nível do cicloturismo, já vi coisas mto boas e bem feitas, mas já há mais de 8 anos. Recentemente, só falo deste ano q está a acabar. O q falas aqui q realm/ me atrai, e q n referi no meu comentário(o qual partilho em mto com a tua opiniao), mas ultrapassa-nos como biklas, mas n como cidadãos dos Açores e de Portugal...e até do mundo, é o preço das viagens, sejam elas para onde forem. A nível Nacional n se percebe o porquê de n haver concorrência de companhias aereas, de forma q o preço descesse... Ou talvez n (olhem para a liberalização da gasolina...só sobe o preço...porcos F#C$F%). A nível interno(Açores), ainda é mais estupido. Viajar para as ilhas mais afastadas de avião é quase tanto como para Portugal... e os transportes maritimos ainda só apareceam a conta-gotas... é como os avioes inter-ilhas de inverno. Reduzem o nº de viagens. C/ isto tudo só perdemos. Perdemos o intercâmbio, o conhecimento de outras pessoas e maneiras, outras culturas, etc. É como se vivessemos em pequenas prisões, q só a mto custo e esforço é possivel dar uns saltinhos fora de cada terrinha.
Qto aos pozitos do jormed, infelizmente axo q ele tem mta razão. Qdo chega a hora, parece q o ppl fica todo intimidado, n sei se com o ppl de fora, ou c/ o quê, mas a verdade é q só vão aos eventos, aqueles q por natureza nunca falham um domingo. O resto faz boicote!